Conhece a Esclerose Múltipla? Sabe o papel da Fisioterapia na Esclerose Múltipla?



No dia 30 de Maio assinala-se o Dia Mundial da Esclerose Múltipla. Esta é uma doença crónica e inflamatória do Sistema Nervoso Central (SNC), de causa desconhecida que afeta jovens adultos. Atinge sobretudo a substância branca do SNC, ocorrendo desmielinização – destruição da mielina, oligodendrócitos e axónios. Este processo leva a uma lentificação da velocidade de condução nervosa e está na base das manifestações clínicas da doença. Apesar de ser de causa desconhecida, o surgimento da doença pode resultar da interação entre fatores imunitários, genéticos, ambientais e infeciosos (1,2).

As manifestações clínicas são variadas e determinadas pela localização das lesões, e incluem espasticidade, paresia, má coordenação motora, distúrbios de equilíbrio, fadiga, distúrbios sensoriais e distúrbios visuais. A nível funcional, estas manifestações traduzem-se em dificuldades na marcha e na realização de atividades simples do dia-a-dia (2,3).

Tendo isso em conta, em que é que um indivíduo com Esclerose Múltipla beneficia com a fisioterapia? Dependendo do nível de incapacidade, a Fisioterapia visa potenciar as capacidades do indivíduo e evitar complicações decorrentes da progressão da doença. As estratégias de reabilitação passam por melhorar o nível de força e resistência muscular, diminuir a fadiga e melhorar o controlo postural. O programa de reabilitação deve ser sempre adaptado ao indivíduo e às suas necessidades naquele momento (1,2,3).
De facto, são vários os estudos que demonstram o papel positivo da fisioterapia na Esclerose Múltipla, quer na funcionalidade quer na qualidade de vida dos indivíduos (3). No vídeo, podemos ver um caso de um indivíduo com Esclerose Múltipla, com acompanhamento fisioterapêutico desde há 5 meses. Da parte da nossa equipa um agradecimento especial ao Marco pelo testemunho.

A Fisioterapeuta,
Cleide Martins

Bibliografia

  1. Neves, Marco Antonio Orsini; Mello, Mariana Pimentel; et al., Physiotherapy approaches for reduction of ataxic effects in multiple sclerosis. Revista Neurociência, v.15, n.2 (2007)
  2. Almeida, Sara R. M.; et al., Efficiency of balance training in multiple sclerosis. Fisioterapia em Movimento, v.20, n.2 (2007)
  3. Pereira, Gabriela Caetano; et al., Techniques Combinations of Physical Therapy In the Treatment of Patients With Multiple Sclerosis: Case Series. Revista Neurociências, v.20, n.4 (2012)


Comentários